Grupo FATO – Próximo

Continuação, sequência, olhar adiante. Proximidade, pessoas diferentes criando juntas e acreditando nos mesmos sonhos.

Foram esses conceitos que deram vida ao Próximo, novo álbum do Grupo Fato e que deram base para o raciocínio criativo da linha gráfica. O FATO é um Grupo Curitibano que pesquisa e produz música autoral desde 1994, envolvendo diversos poetas e compositores da cena independente.

Em 2014 lançou o CD “Próximo”, que celebrou os 20 anos de trajetória do grupo com convidados ilustres. Produzido por Pedro Luís, o CD ainda contou com participações de LENINE, João Cavalcanti, Yuri Queiroga, Rodrigo Campello, Gabriel Schwartz e Neuza Pinheiro, entre outros grandes artistas amigos. O trabalho ficou na posição 28 entre os 100 melhores lançamentos de 2014 na avaliação do site “Embrulhador”.

Em www.fato.org, site oficial do grupo, há um grande conjunto de informações, música e imagens.

Tem o projeto todo lá no meu Behance: Behance do Jairão

grupo_fato_00grupo_fato_06grupo_fato_01grupo_fato_02grupo_fato_04grupo_fato_03grupo_fato_05

Blues Anthology

Projeto acadêmico do cujo Plinio Fernandes publicado lá na página do Dito Cujo e merece um baita destaque!

O processo criativo para o box promocional “Blues Anthology” baseou-se em uma narrativa ambientada em um bordel. Local recorrente das apresentações dos bluesmen, o espaço era permeado por música, bebida e mulheres.

Ao passar pelas prateleiras de uma loja de CD’s os apreciadores de blues serão surpreendidos por uma luz vermelha (característica marcante de um bordel) vinda da embalagem: trata-se de um pequeno LED acionado por um sensor de presença, instalado na tampa. Conquistada a atenção, o fã é então convidado a entrar pela “porta”e explorar seu conteúdo. Uma textura de papel de parede bastante gasta estampa o interior da caixa, a fim de reforçar a atmosfera de um bordel. A primeira coisa a ser vista é um livro contendo as letras das músicas com o título “Blues Anthology Lyrics”. A capa traz a foto de uma escadaria que, de acordo com a narrativa, é o acesso aos quartos. Na sequência, o fã é levado pelos corredores até uma das típicas dependências, onde é aguardado por uma “donzela”e por uma trilha sonora, executada por músicos consagrados como Muddy Waters e Robert Johnson.

A caixa ainda traz um pen drive em forma de gaita – que pode ser tocada -, contendo todas as músicas do CD.

Para ver todo o projeto é só ir lá no Behance do Plínio. Lá tem todas as imagens bonitonas para apreciar: CLICA AQUI Ó!

Convido a todos para quem não curtiu, acompanhar nossos trabalhos lá na página do Dito Cujo no Facebook, tá aí o link ó: www.facebook.com/ditocujocoletivo :)

 

010203040506

 

Sketchbook Volume III

Este projeto partiu da intenção de apresentar uma série de desenhos feitos à mão por mim em meu Sketchbook no ano de 2015. Para criá-los, utilizei canetas nanquim (0,05mm / 0,1mm / 0,3mm), lapiseiras 0,5mm / 0,7mm coloridas (azul e vermelho) e aquarela. Logo após foram scanneados e tratados no Adobe Photoshop. Fiz apenas pequenas alterações
nas opções levels e curves e refiz a lineart em alguns pontos prejudicados.

Também tem o projeto todo lá no Behance ó: CLICA AQUI! :)
E quem quiser, pode me seguir lá no Instagram, vou postando com frequências sketches e outras rabisqueiras do dia-a-dia!

sketchbook2sketchbook1sketchbook3sketchbook5sketchbook4sketchbook6sketchbook7sketchbook8sketchbook9sketchbook10sketchbook11sketchbook12sketchbook13sketchbook14sketchbook15sketchbook16sketchbook17

Bird Woman

bird_woman_01bird_woman_02bird_woman_03bird_woman_04bird_woman_05bird_woman_gif

Ela canta, com cores quentes nos lábios, o silêncio que guia meus sonhos. Cria asas e movimentos para delimitar a realidade. E assim separa o meu pensamento em pedaços que não preciso definir… Ela dança, com calor colorido nas pernas, o movimento que guia meus planos. Cria raízes e pensamentos para delimitara realidade. E assim unifica o meu movimento em pedaços que não recuso sentir… E volta, como passageiros de ponte aérea, depois de inverter os tons das tintas ao meu redor, sumindo naquele lapso de realidade antes das quatro da manhã… E some, como pedreiros de ponte térrea, depois de derreter as notas das músicas ao meu redor, existindo naquele lapso de sonho depois das quatro da manhã…

O Incrédulo Capitão América

o_incredulo_capitao_america_01 o_incredulo_capitao_america_02 o_incredulo_capitao_america_03 o_incredulo_capitao_america_04 o_incredulo_capitao_america_05 o_incredulo_capitao_america_06 o_incredulo_capitao_america_07 o_incredulo_capitao_america_08

A aparição mais famosa de Tomé é aquela em que ele duvida da ressurreição de Jesus e afirma que necessita sentir suas chagas antes de se convencer. Esta passagem originou a expressão “Tomé, o Incrédulo”. Tal situação é tema da famosa pintura barroca de Caravaggio, feita a óleo em 1602. No quadro vemos os três apóstolos com olhares fixos sobre Cristo, enquanto um deles coloca o dedo em sua ferida exposta. Sua tela foi a inspiração e referência direta para a ilustração.

Nela está retratada a mesma cena descrita acima, porém os personagens foram substituídos pelos Vingadores, da Marvel, ícones das histórias em quadrinhos e da cultura pop. As figuras foram escolhidas cuidadosamente para que se relacionassem de alguma forma com os originais, procurando coerência e humor.

No lugar de Jesus está Wolverine, devido aos seus poderes de regeneração celular (fator de cura), justificando assim a ressurreição e feridas expostas. Os outros dois apóstolos foram trocados por Thor e Homem de Ferro, deixando São Tomé com o papel de Capitão América, mantendo a expressão de surpresa aos ver os ferimentos. O Homem-Aranha surge como um intruso no canto superior esquerdo, tentando observar a cena e sendo mais um elemento cômico na ilustração.