Sketchbook Volume III

Este projeto partiu da intenção de apresentar uma série de desenhos feitos à mão por mim em meu Sketchbook no ano de 2015. Para criá-los, utilizei canetas nanquim (0,05mm / 0,1mm / 0,3mm), lapiseiras 0,5mm / 0,7mm coloridas (azul e vermelho) e aquarela. Logo após foram scanneados e tratados no Adobe Photoshop. Fiz apenas pequenas alterações
nas opções levels e curves e refiz a lineart em alguns pontos prejudicados.

Também tem o projeto todo lá no Behance ó: CLICA AQUI! :)
E quem quiser, pode me seguir lá no Instagram, vou postando com frequências sketches e outras rabisqueiras do dia-a-dia!

sketchbook2sketchbook1sketchbook3sketchbook5sketchbook4sketchbook6sketchbook7sketchbook8sketchbook9sketchbook10sketchbook11sketchbook12sketchbook13sketchbook14sketchbook15sketchbook16sketchbook17

Everything I touch gets ruined

everything_i_touch_gets_ruinedeverything_i_touch_gets_ruined_01everything_i_touch_gets_ruined_02everything_i_touch_gets_ruined_03everything_i_touch_gets_ruined_04 everything_i_touch_gets_ruined_05

A raiva da garota ao ser perseguida pelos fantasmas do passado que voltam para lembrá-la de todos os seus erros, é representada aqui por uma mistura de ilustração e fotografia.

Ela parada ao centro, numa situação vulnerável enquanto tudo dá errado ao seu redor. Sua reação, porém é agressiva. Ela estragou tudo uma vez e, aparentemente, não se importa de repetir o ato. O degradè de cores cria uma atmosfera melancólica para a cena, da menina que tem como única companhia, seus problemas.

Crânio

cranio2cranio3cranio1cranio_closecranio_animal_01cranio_animal_02

Andei fazendo uma lista de tudo que não ensinam na escola. Não ensinam a amar.
Não ensinam a ser famoso. Não ensinam a ser rico ou pobre.
Não ensinam a se afastar de alguém que você não ama mais.
Não ensinam a saber o que se passa na cabeça dos outros.
Não ensinam o que dizer a alguém moribundo.
Não ensinam nada que valha a pena saber. – Rose Walker
Sandman – Neil Gaiman

Imagem criada para o editorial Dissonia. Para conferir todo o projeto, basta ir lá no meu Behance. Tem o editorial todo por lá.

Efeito Borboleta

borboleta_ossosborboleta_ossos_01borboleta_ossos_04

Uma criatura com corpo humano, cabeça de bode e asas de borboleta, com os ossos fazendo a junção do corpo com as asas. Inspirada em um dos diversos glifos que eram exibidos durante o seriado Fringe. Cada um desses glifos são um código para formar uma palavra.

A borboleta é considerada o símbolo da transformação e cada estágio significa respectivamente vida, morte e ressurreição. Vale lembrar que nas pedras tumulares, o símbolo da borboleta significa uma vida curta e, por isso, é utilizada nas sepulturas de crianças.

Na mitologia grega, a personificação da alma é representada por uma mulher com asas de borboleta e segundo as crenças gregas populares, quando alguém morria, o espírito saía do corpo com forma de borboleta.

Essa ilustração faz parte de um projeto de ilustrações com uma temática obscura que você pode conferir lá no meu Behance.

Heart in a Cage

heart_in_a_cageheart_in_a_cage_00heart_in_a_cage_01heart_in_a_cage_02heart_in_a_cage_03

“I don’t want what you want, I don’t feel what you feel”

Os ossos do toráx têm a função de manter o coração protegido e intacto. Em contraponto, são também sua gaiola, pois ali ele fica preso. Vemos alguns ossos quebrados, como se o órgão, único elemento colorido, quisesse escapar.

(Inspirada na tatuagem da morena mais linda da minha vida ♥)

Take Off Your Panties

take_off_your_panties_06take_off_your_panties_04take_off_your_panties_05take_off_your_panties_03take_off_your_panties_02take_off_your_panties_01

“Minha memória é de espelho retrovisor embassado de fumaça da neblina de paz da noite que chega. Espelho|ohlepsE me faz lembrar pedaços perigosos deste caminho que estou seguindo a algum tempo, entre curvas aventureiras do meu cotidiano e retas em alta velocidade de quem valoriza mais a viagem que o destino de tuas rotas.

Minha memória é vermelha rústica de móveis coloniais dos mistérios dos ministérios das artes de quem pouco se importa. Vermelha do calor do seu sangue nos meus sonhos, dos movimentos dos teus lábios nos meus encontros, entre outros tons de você que se configura nestes destinos de minhas rotas”. –  Blogberona

Espelho

garota_dos_ossosespelho_04espelho_05espelho_02espelho_01

“Na frente de meu rosto estava todos os bons sentidos da vida num instante rápido (e preguiçoso) que se demorou a entender. Era a invenção de um novo tom. Um novo sobretom. Tinha milhões de motivos para deixar um sorriso verdadeiro escapar, mas não saberia nunca dizer o porquê. E quase que como um espelho, um sorriso dela também escapou, tentando desenhar novamente o futuro com outras cores.

…não seria muito diferente. Se eu soubesse antes o final, re-começaria, quase que exatamente igual”. – Blogberona

Caveira

caveira

Desenho feito durante minha animada (risos) férias por terras mineiras.

Feito com caneta nanquim preta (0,05mm, 0,1mm e 0,3mm) e guache preta. Depois de scanneados fiz pequenos ajustes utilizando o Adobe Photoshop (alterações feitas nas opções levels e curves; em alguns pontos a lineart foi refeita) e inseri brushes para manter a textura do papel visível.